Terça, 13 Agosto 2019 19:04

Campanha de doação de sangue Doar Faz Bem ganha reforço de novas cooperativas

A campanha de doação de sangue e cadastro de medula óssea Doar Faz Bem, que acontecerá entre os dias 17 a 20 de setembro, em Luís Eduardo Magalhães, ganhou o reforço das cooperativas de transportes da cidade e agora, conta com seis entidades na linha de frente da ação, as agrícolas: Cooperfarms (Cooperativa do Produtores Rurais da Bahia), Cooproeste (Cooperativa Agropecuária do Oeste da Bahia) e Unibahia (Sociedade Cooperativa Unibahia), a de crédito, Sicredi, e as de transportes, Cootransf (Cooperativa de Transportes de São Francisco) e COOPGNP (Cooperativa dos Transportadores de Luís Eduardo Magalhães), além do apoio da Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba), prefeitura municipal e Clínica São Camilo.

Este é o terceiro ano consecutivo que as cooperativas abraçam a causa que integra o programa nacional Dia C (Dia de Cooperar) - uma agenda estratégica do cooperativismo brasileiro, com o objetivo de executar a responsabilidade social, colocando em prática os valores e os princípios cooperativistas por meio de ações voluntárias.

Segundo o presidente da Cooperfarms, Marcelo Kappes , o Dia C reforça o compromisso das cooperativas por uma sociedade mais justa e com melhores oportunidades para todos. “Essa campanha de doação de sangue converge com os objetivos do cooperativismo que é unir pessoas, de estar próximo e de fazer o bem”, defende Marcelo. Em 2018, as cooperativas organizadoras alcançaram um saldo positivo de 396 bolsas de sangue coletadas, um acréscimo de quase 50% em relação ao ano anterior. Para este ano, a meta é atingir 500 bolsas. A campanha acontecerá no Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN), ao lado da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no horário das 7h30min às 18h.

Segundo o Ministério da Saúde, apenas 1,8% da população doa sangue com regularidade no Brasil. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o índice ideal para suprir as necessidades de sangue e outros componentes sanguíneos de um país é de 3% a 5% da população. Para cada ato voluntário de doação de sangue até quatro vidas são salvas.